domingo, 13 de junho de 2010

Espelho desencontrado

"Você é o que ninguém vê"

O sorriso largado
O choro baixinho

O pêlo arrepiando
E o arrepio que só você sente

A nudez mais crua
O desejo mais intenso

O cheiro que atrai
A química que gruda

A sensação de queda livre
O vento no cabelo

A alegria de estar aqui
O medo de morrer

A alergria
O medo

A ansiedade um mês antes
O alívio um segundo depois

O não se reconhecer
O espelho que trai

Cada milímetro do corpo
Cada milha de distância

A solidão do cigarro
A companhia dos fantasmas

A loucura desenfreada
A sanidade comedida

A música alta
O silêncio ensurdecedor

A essência e o excesso
A falta

Nenhum comentário: