quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Bom mesmo é trepar!

Não há dois papos que me animem mais nessa vida do que falar de trepada e rock and roll! Embora melhor que falar seja fazer e ouvir, respectivamente - pelo menos para mim (perdõem-me os músicos e os voyeurs), uma boa conversa é sempre um bom começo...

Mas como de rock and roll eu não tou afim de falar agora, vamo falar de...
... TREPADA!

O papo aqui não vai ser sobre experiências, dicas, sugestões nem nada dessa papagaiada de sexóloga feliz ou de revista NOVA (aliás, uma dica eu vou dar, não façam nada do que pode estar sugerido nas páginas dessa revistinha aí, uma publicação que toda semana tem que trazer 1001 dicas de sexo quente é porque tem um editor que ainda não descobriu do que é capaz um bom papai-e-mamãe!), o lance aqui vai ser semântico...

Do mesmo jeito que pintinhos e periquitas colecionam uma vasta lista de apelidinhos, o ato de descer pro play, também! Mas o que percebemos é uma variação de significado a cada vez que um nome diferente é empregado... Porque não dá pra dizer que coito é o mesmo que 'dar uma', né?

Já que começamos com coito, continuemos... É a expressão mais ginecológica possível, mais desanimadora, mais fria, é pra perder toda vontade de fazer... É quase como acasalar, só que aí muda de profissão e vira coisa de biólogo!

Tão desanimador quanto coito... Transar... Transar é coisa de protagonista virgem de Malhação que fica a temporada toda ensaiando pra dar e quando vê, rola aquela coisa morna que pior do que isso é só pianista e bailarina juvenis em novela das oito.

Aliás, nada igual àquilo... Eles se conheceram no sentido bíblico da palavra e em um clima bíblico também. Não sei se vocês lembram, mas o menino era um que eu sempre acho que é parecido com o tal do Felipe Dylon e ela, se não me engano, fazia uma personagem que sofria de uns transtornos alimentares dos brabos, lembraram? Bem, lembrar da coisa em si eu não lembrei, mas eu lembro da cena em que ele colocava a mão no joelho dela, eu mudava de canal, assistia à metade de um filme e quando voltava a mão dele tava na coxa dela! Que avanço! E por Deus, eu senti vergonha alheia quando ele ficou beijando a mocinha na testa. Sério, quem me dá beijo na testa é minha vó, ok?!

Transar também é frequentemente usado por pais metidos a moderninhos quando querem começar a tratar da sexualidade de seus filhos sem parecerem caretas.

As variações mais descabidas do tipo descabelar o palhaço, fritar o croquete e babaquices adjuntas são constantemente identificadas em rodas acervejadas nos botecos, não é nada sexy, mas é divertido e válido, tudo relacionado ao tema é válido!

Quando o naming se refere a fazer amor, o bicho pega, pode até ser bonitinho para um casal apaixonado, mas soa tão brega e tão argh em qualquer outro contexto que não dá, é muito desanimador, é algo broxante!

Negócio mesmo é trepar! Assim, sem vergonha nenhuma, falando abertamente, não fica esdrúxulo, fica simples, resume, abrange e dá idéia de que tá muito mais gostoso do que se você tivesse fazendo amor, ou sexo ou transando ou bla bla bla...

E quanto mais gostoso, mais a gente gosta!

Boa trepada!

6 comentários:

Cleitão disse...

Só uma palavra: Espetacular!

Francisco disse...

Speechless

Marina Galeano disse...

Mais sua cara impossível esse post. Certeza q no seu cérebro tem espermatozoides!

C. V disse...

Vc esqueceu do fornicar...uma vez me falaram fornicar, foi horrível!

Lobo das Estepes disse...

Mas será que alguém, na hora de uma trepada, ainda fala palavras clássicas?, é foda. PQP.

Mas tem uns nomes que são do cacete, parte dos homens e de algumas mulheres, tem vergonha de falar as palavras como elas são e o que de fato representam.

Meter, trepar fuder (com U mesmo) é o que se faz quando o tesão aflora e há oportunidade de uma boa foda.

Bjoca,

Lobo das Estepes disse...

Esqueci de marcar o acompanhamento, saco.