terça-feira, 18 de novembro de 2008

Trauminhas de infância...

Eu já sou meio retardada por natureza, até porque meu pai já disse que só não me interna porque se diverte comigo =]

Daí que a coisa piorou muito depois de algumas descobertas que eu fiz na vida... Sabe quando você descobre as verdades sobre aquelas crenças que a gente têm desde pequenos, fundadas no único saber que temos por essa idade: a imaginação? Então...

Teve o dia em que eu descobri como nasciam os bebês e não gostei de imaginar meu pai e minha mãe trepando. De repente a Dona Cegonha, a quem eu dedicaria meu sucesso quando me formasse na faculdade, simplesmente não existia, isso mesmo, não existia... Senti um vazio e fiquei orfã da cegonha, nada daquele ser gordo e fraternal me carregando de um ponto x do universo até o aconchego do meu novo lar. Frustrei.

Senti a merda que é começar a ler sobre meu mais novo cãozinho de estimação, um filhote lindo e meigo com cheirinho de neném e no fim da página 2 daquele almanaque de cães que vinha no chocolate Surpresa descobrir que aquele que seria para-sempre-meu-melhor-amigo, muito provavelmente, não duraria até a minha maioridade. Trauma.

Depois veio a estupidez de mostrar o dedo do meio e, em seguida - depois de uma olhar fulo de repreensão-, descobrir que o significado dele não era tão simpático quanto o do polegar... Tudo culpa da Eliana. Enfia os dedinhos no cu, loira azeda!

Percebe, num estalo muito doido, que o símbolo da Antarctica não, não é o rosto do homem-aranha, e sim, dois pinguins no téte-a-téte, mas que se resolverem fazer um sexo animal vão precisar sair daquela posição, já que o acúmulo de gordura na região abdominal não permite maior contato. Desse eu dei risada.

Depois foi a vez do Carrefour, vejam só, é a bandeira da França e um 'C'... Quase precisei de terapia depois dessa... Passava o mês todo querendo ir pra Sorocaba (porque em São Roque não tem), só pra ficar olhando e admirando minha descoberta. No fim eu me senti gênia, mas só até o orkut nascer e eu descobrir que mais um montão de gente compartilhava da mesma descoberta. :/

Um belo dia, nos comerciais de um programa qualquer, a Globo vai anunciar a nova novela... Eu sei lá qual era o nome da novela mas não me esqueço, até hoje, do meu espanto quando li (eu já lia naquela época) na telinha: NEY LATORRACA. Como assim? Não era Neyla? Não, não era. Fiquei chocada.

2 comentários:

Priscila disse...

hhahahahhahahahaha
Como sempre me divirto com os seus posts!
Realmente... a coisa mais frustrante é acabarem com o q vc sempre imagino e jurava de pé junto q existia. Nunca me esqueço qnd descobri q papai noel não existia. Qnd cheguei em casa, indignada com o q tinham me falado na escola, fui correndo pergunta para a minha mãe se aquele absurdo era verdade. Infelizmente era. E por associação, percebi q coelinho e fada do dente tb eram uma farsa.
Pois eh.. traumas de infância!

Angela disse...

eu ainda nao sabia essa do carrefour!
obrigada por abrir meus olhos!
quem ve pensa que vc acreditava na cegonha...
VC NUNCA FOI PURINHA, PORCO!
hahaha te amo neid