sexta-feira, 18 de julho de 2008

'Eu rio, tu ris, ele ri...'

Coisa que eu a-do-ro é gente irreverente e bem humorada. E se tinha alguém que era a personificação dessas duas palavras, esse alguém era a Dercy! Não vou ficar aqui fazendo homenagem póstuma e tals porque não gosto dessas coisas, mas temos que concordar que ela era o máximo!

E depois de tanto ouvir falar dela nesse fim de semana e de assistir a retrospectivas divertidíssimas, eu estava pensando que chegar aos 101 anos deve ser algo que só se consegue se tiver muito bom humor e a genialidade de saber rir de si mesmo, mas não aquele humor piedoso dos perdedores e sim, aquele humor debochado de quem sabe o quanto é medíocre cultivar certos valores nessa vida.

Tem ainda aquelas pessoas que falam besteiras, se dizem 'mente aberta' e liberais, mas esses que se dizem muito'isso e aquilo' são, na verdade conservadores disfarçados... Enquanto eles estão falando de si próprios e tentando a todo custo impor essa imagem, pessoas como a Dercy nem precisam ser anunciadas, não precisam se explicar e fazem rir com a mesma naturalidade com que respiram.

O sexo, naturalmente divertidíssimo na prática, é (e nada mais justo) motivo de diversão na teoria também. A liberdade para fazer graça com esse assunto é fundamental para que se sinta essa mesma liberdade na intimidade entre quatro paredes. Só quando o sexo deixar de ter, de uma vez por todas, essa aura de sujeira e pecado em torno dele é que as pessoas poderão gozar (hua!) de todo seu potencial. É quando se aprende a rir de algo que se aprende, de fato, a lidar com isso.

Levar a vida tão a sério pode ser fatal, afinal, como alguém conseguiria encarar uma cara amarga no espelho todo santo dia por mais de dez décadas? Rir é exercício, é anti-depressivo, melhor que fugir da realidade com drogas, é fazer dela uma piada. E se rir é maravilhoso, fazer rir é divino. O trânsito, o sexo, o trabalho chato, a prova na segunda-feira, tudo fica mais divertido e mais fácil de enfrentar se você souber encontrar a graça natural de cada uma dessas coisas, é isso que faz a vida ser mais leve, é isso que faz um dia de puro stress ainda continuar valendo a pena. Política, justiça, polícia... se não tivéssemos aprendido a rir, já tínhamos ficado loucos.

O humor tem que ser assim: pura ironia, deboche, língua solta sem restrições. Tem que ser anárquico e, se puder, ter um quê de protesto e tem que ter também aquela inteligência de quem finge ser ignorante.

E soltar uns bons palavrões é algo que há muito já devia ter deixado de ser falta de respeito... Dercy soube muito bem explorar todo potencial humorístico de cus, bundas, porras, bucetas e pintos (e por aí vai), coisas que ou você tem ou você vai ver um dia, não tem jeito. Pecado é usá-los como ofensa, isso sim.

É... quem não tem cu é costurado; pra gostar de dar, não precisa ser viado e se me mandar tomar no meu? 'Deus te ouça'.

3 comentários:

Maiara disse...

Muito bom o texto! Venho acompanhando seu blog e pude perceber que vc é uma menina "muito à frente de seu tempo"! Por isso compreendeu tão bem Dercy!

Bjs e muito prazer em te conhecer!

Maiara disse...

Cíntia,

Que legal que você comentou no meu blog, fiquei surpresa e feliz. Eu comentei como anônima no seu post 'É chato ser cronológico'.

Obrigada, vc tb já está favoritada.

Beijos

Maiara

Marcela Bonazzi disse...

Ciiii

Eu sempreee adoro seus textos, você tem uma redação que é uma delícia!!!!!!!!

Mesmo sendo blogueira eu nunca vou abandonar seu blog. Ele está na minha listinha de ' blog que olho todos os dias' e não sai mais de lá.

Te amo!!!!

Bjsss