segunda-feira, 16 de junho de 2008

Pequenas Transgressões

Entre o lixo no chão e o carro estacionado em lugar proibido, alguns sentem o peso de um automóvel na consciência, outros continuam leves como a folha de papel amarrotada no meio da rua.

O tênue limite, que separa os crimes entre aceitáveis e abomináveis, dança conforme a música do cotidiano. E vai tomando diferentes formas ao longo do dia, variando conforme o humor do ‘criminoso’...

Pela manhã, parece um absurdo o motorista do carro da frente descer o vidro e arremessar, sem nenhuma cerimônia o lixo para o meio da estrada. Mas de noite, quando o happy hour foi muito ‘happy’ e durou mais que uma ‘hour’, jogar a latinha de cerveja à sorte do vento não parece tão repugnante.

E é assim com o estacionar em local proibido, deixar entulho nas calçadas, avançar durante o sinal vermelho, dirigir de modo ofensivo, fumar onde não pode, atravessar fora da faixa... Ora é crime, e dos mais vergonhosos, ora é só um descuido, ‘opa, já foi’...

E para não soar tão agressivo a gente logo deu conta de arrumar outro nome para os crimes do dia-a-dia. Chamamos carinhosamente de ‘pequenas transgressões’. Sabe como é, para tirar o peso das palavras.

Somos todos pessoas de família e, como bons cidadãos cientes de seus direitos e deveres, estamos certos que lugar de criminoso é na cadeia e não no convívio de gente de bem que vive por aí só querendo ser feliz enquanto tropeça na lei e no lixo que esqueceu na calçada.

2 comentários:

escondidonagaveta disse...

as aulas de foto realmente mexem com a nossa cabeça hein?

adorei o texto ci, muito verdadeiro, muito bom...adorei a parte do 'happy hour' huahauhah

amo sócia!

Murillo Teixeira disse...

eu tb adorei a parte do hhapy hour que nao dura só uma hour!!! haeuaheuaheauheauea
mas fala pra gê voltar. to com saudade!!!