terça-feira, 8 de abril de 2008

Um caso com o olfato...

(Adoro cheirar, cheiro tudo mesmo. Você pode até não perceber, mas se estiver perto de mim, eu vou te cheirar, acredite! É uma coisa antiga, mania... Inevitável.)

As pessoas podem estar ligadas por 'n' motivos: laços de sangue, de amizade, de amor...de cheiro. Sim, você se afeiçoa pelo modo como certa pessoa estimula seu olfato. Como também pode simplesmente não suportar a presença de um indivíduo se seu nariz não for agradado. Quando digo cheiro, é cheiro mesmo, da pele da pessoa. Pode estar associado a um perfume de qualquer outra origem, mas tem que ter aquele toque único, de cada um, individual. É esse toque todo pessoal que faz com que certos perfumes caiam bem em fulano, mas fiquem péssimos em beltrano.

Não sei com você, mas cada vez que eu chego em casa a primeira coisa que sinto é meu olfato trabalhando para finalmente me deixar à vontade, reconhecendo cada um daqueles aromas tão familiares e finalmente passando aquela mensagem inconsciente: 'lar, doce lar'. É uma mistura: o cheiro da madeira dos móveis, dos produtos específicos usados na limpeza, da plantinha da sala, de algum vinho aberto sobre a mesa, das pessoas que mais amo no mundo. Nada melhor do que se esparramar na cama e ficar aconchegado no bom e velho travesseiro que você identificaria ( e identifica!) de olhos fechados; repara bem, seu sono é muito mais gostoso quando você está com a cabeça no seu próprio travesseiro.

E cheiro de pai e mãe? Reconheço a quilômetros de distância, e gostaria de entender de famílias aromáticas só para conseguir descrever com precisão as notas que eu identifico quando os abraço. Mas se não disponho do método racional para explicar, vou pelo sentimental mesmo. Eles têm cheiro de segurança, de paz, de carinho acima de tudo, de sorriso, de me cobrir quando vou dormir, um leve toque de amêndoas doces com mais alguma coisa fresquinha para Mamis e um pouquinho de sabonete de neném pro Gode( sim, meu pai toma banho com PomPom), ah, tem também aquela lembrança do vinho que fica nas roupas sempre quando ele chega do trabalho.

Namorado(a) não fica atrás! No meu caso, é mais que fundamental! Estamos muitíssimos ligados pelo cheiro, acho que desde o primeiro beijo, e não poderia ser diferente. Se você escolhe passar sua vida inteira com alguém tem que existir essa identificação. Não dá para ser abraçado e não gostar de ficar com um pouco do outro colado em você, na sua roupa, na sua pele. É isso que faz a gente querer colo, 'dormir de conchinha', ficar o dia todo grudado, deitar a cabeça no peito e adormecer como se o cheirinho fosse canção de ninar. Faz toda a diferença...

Irmãos, amigos, primos, tudo!! Nem o cachorro escapa, aliás, cheirinho de filhote é a coisa mais gostosa do mundo, gosto de ficar quietinha com ele no meu colo só para sentir. Dá uma calma... Apesar de meio surreal, é a pura verdade. Todas as pessoas que amamos passam para nós alguma sensação olfativa, um estímulo que nos desperta ainda mais os sentimentos. Mas fico meio confusa em explicar o que influencia e o que é influenciado nessa história toda. Amo e acabo amando o cheiro ou amo o cheiro e acabo amando o resto?

Mais aguçado em uns, do que em outros, o olfato é o único dos cinco sentidos que está diretamente ligado às emoções, às memórias. O que explica, e muito, essa relação estranha e forte que estabelecemos com ele. Conseguimos armazenar, segundo o livro 'Biologia Molecular da Célula', até 10 mil fragrâncias diferentes (olha quanta gente e quanta coisa para você reconhecer só pelas moléculazinhas que elas liberam!) e isso porque somos um dos mamíferos menos desenvolvidos nesse quesito. Se esse sentido fosse ainda mais potente nos humanos, talvez percebêssemos a diferença de um pacote de Cheetos para o cheiro de chulé com mais facilidade. O que também nos faz perceber a ligação do paladar com o olfato, colaborando ainda mais com essa identificação, afinal o Cheetos fede muito mais para quem não está comendo, e os palitinhos de cebola incomodam muito menos um casal de namorados se ambos o comerem.

Bons ou ruins, agradáveis ou desencadeadores de uma rinite descomunal, sem o nosso querido olfato seria muito complicado lidar com situações do nosso dia-a-dia, como um vazamento de gás. A anosmia, perda total da capacidade de sentir odores, também compromete o paladar, se você fosse acometido por esse distúrbio não poderia identificar se a coxinha na sua frente estaria, ou não, fedendo e um pouquinho podre. O único ponto positivo seria livrar sua existência do arominha desagradável do pum que o cara do lado soltou ou daquele cheirinho de corpo que insiste em sair da axila alheia e chegar até sua cavidade nasal.

Mas, falando sério, teria alguma graça pegar um neném no colo e não sentir aquele cheirinho muito 'gotoso da coisinha mai linda du mundu'? Na pior das hipóteses você tem a chance de salvá-lo de uma bela assadura...


4 comentários:

escondidonagaveta disse...

Acho que não existe nada melhor no mundo do que dormir com o casaco do namorado, só sentindo aquele cheirinho gostoso tão típico dele. Lembrando do dia que passou e sentindo a já tão conhecida saudade. Concordo com vc Ci, o cheiro é mais que fundamental. Não sei o que seria de mim sem aquela essência de baunilha tão típica da minha mãe, ou aquele cheiro de perfume da natura (que eu tão inteligentemente empurrei para o meu pai) misturado com cigarro mal acabado (parece ruim, mas é o cheiro do papis que eu amo, me lembra força, persistência, aquela vontade interminável que ele tem de fumar o cigarro que nunca consegue, de fazer aquilo que não está ao seu alcance). Sinceramente, tudo fica melhor com aquele cheiro característico que lembra episódios de infância, almoços na casa da vó, amores de outras era, a família queria.

Marcela disse...

Nossa, Ci, nada melhor que cheiro nessa vida. Ouvir sertanejo me faz sentir cheiro de frango misturado com casa de vó... Melhor coisa... E dormir com o moletom do namorado??? Ficar com aquele cheirinho perto de você... Durmo até melhor.
Esses dias ganhei um creme do meu pai e quando senti o cheiro lembrei da minha mãe na hora. Fui perguntar e ele disse que passava quando estava grávda de mim e quando eu era pequena!! Estranho né?? Mas uma delícia.

E conordo 100% com a parte do cheetos!!!!!!!!

Murillo Teixeira disse...

é que nem chegar em uma rodoviaria e saber que esta la mesmo de olhos fechados só de sentir o cheiro de fritura no ar!!! mas infelizmente meu cheirador nao é tao aguçado!!!

Rosana disse...

Amei o que vc disse sobre o nosso olfato, tudo muito verdade.Me ajudou bastante estava procurando algo.E tem outra coisa, alguém tb disse que cheiro é tudo verdade.Bjos